Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias > INPI concede ao CETEM e ao INT carta patente de invenção sobre Separação de Sólidos Finos e seu Uso em Argamassa para Construção Civil
Início do conteúdo da página

INPI concede ao CETEM e ao INT carta patente de invenção sobre Separação de Sólidos Finos e seu Uso em Argamassa para Construção Civil

Publicado: Segunda, 05 de Junho de 2017, 11h46 | Última atualização em Quinta, 05 de Outubro de 2017, 15h37 | Acessos: 2367

O Instituto Nacional da Propriedade Industrial - INPI concedeu ao CETEM e ao Instituto Nacional de Tecnologia - INT a carta patente de invenção intitulada "Processo de Separação de Sólidos Finos e seu Uso em Argamassa para Construção Civil".

A patente de autoria de José Carlos da Rocha, Eduardo A. Carvalho, Carlos César Peiter, Antônio Rodrigues Campos e Antonio Odilon da Silva refere-se a um processo destinado à produção de uma argamassa industrial, a ser utilizada pela construção civil no assentamento de pisos, blocos especiais e também no revestimento interno e externo de paredes, a partir de sólidos finos de gnaisse milonitizado, obtidos durante o beneficiamento dessas rochas.

Durante o corte de blocos da rocha gnaisse, utilizada na forma de ladrilhos ou lajotas no revestimento de pisos e paredes, torna-se necessário o resfriamento com água dos discos diamantados utilizados nesse processo. A água utilizada em contato com as partículas finas da rocha, produzida durante essa operação de corte, gera um efluente contendo partículas finas que causavam impactos ambientais, em virtude da não existência de um tratamento adequado para esse efluente nas serrarias da região produtora de rocha, em especial as localizadas nos municípios de Santo Antonio de Pádua, Porciuncula e Miracema (RJ) e Pirapetinga (MG).

De modo a reduzir a poluição ambiental, gerada por esse processo e da mesma maneira, recircular a água de corte e utilizar os sólidos finos gerados, a presente invenção, desenvolveu um método de tratamento dos efluentes gerados no corte do gnaisse e o aproveitamento, tanto da água utilizada no processo, quanto das partículas finas na produção de argamassas industriais utilizáveis pela construção civil. Essa inovação foi levada ao mercado pela empresa Pedreira São Sebastião que licenciou os direitos de uso da tecnologia de preparação de argamassa com finos de gnaisse e implantou uma fábrica de vários tipos de argamassas em S. Antonio de Pádua em 2008 efetuando pagamento de royalties ao MCTIC , CETEM e ao INT desde então.

registrado em:
Fim do conteúdo da página